3 tipos de catarata e qual profissional você deve buscar ajuda

0

Assim como as demais doenças e enfermidades  do corpo humano, podemos destacar também os tipos de catarata que surgem ao longo de nossas vidas. 

Apesar de ser um processo gradual e de consequência natural do envelhecimento, alguns pacientes podem desencadear uma opacidade na córnea devido a outra doença, também conhecida como uveíte ( inflamação dentro do olho) ou glaucoma.

Profissional habilitado 

Responsável pelo tratamento dessa doença, o profissional habilitado para o diagnóstico precoce é oftalmologista.

O ideal é que, o indivíduo  que já tenha predisposição para o aparecimento da catarata busque fazer o acompanhamento com o oftalmologista anualmente para descartar possíveis problemas futuros e também é uma  forma de controle para possíveis agravos. Já nos casos em que não se tem um histórico e não se é pertencente a grupo de risco, o ideal é fazer uma consulta a cada dois anos para busca da prevenção.

E se houver necessidade de intervenção cirúrgica? 

Em casos em que houver necessidade de intervenção cirúrgica ou não, o profissional saberá qual a melhor decisão a ser tomada mediante cada caso. Os indivíduos consultados, têm seus casos analisados e as intervenções são feitas de acordo com a necessidade.

Como é iniciada a catarata? 

A catarata em sua fase inicial pode não apresentar tanto incômodo. Se desenvolve lentamente e inicialmente pode ser “ normal”, sem maiores interferências. Porém em casos onde  haja histórico  familiar confirmado, os sinais como embaçamento da córnea, dificuldade para realizar leituras ou estar na direção de veículo, é um ponto específico para a busca pelo tratamento.

Histórico familiar

O paciente/ cliente que talvez não tenha um histórico na família, não quer dizer que ,caso tenha esses sintomas não deva buscar ajuda, pelo contrário, este também deverá buscar uma investigação para descobrir o que está havendo.

Destacando os principais tipos de catarata 

Catarata relacionada a idade ou catarta senil

Também conhecida como catarata senil. Uma das formas mais comuns da doença, geralmente acomete idosos com idade a partir dos 55 anos de idade. 

Se manifesta principalmente devido ao envelhecimento, causando a opacidade do cristalino. 

A catarata quando relacionada com a faixa etária específica, é dividida em 3 tipos dependendo da sua localização. As 3 abaixo são as subdivisões relacionadas a catarata senil ( nuclear, cortical e subscapular posterior).

Cataratas nucleares

Formada no centro da lente, tornando o núcleo do olho turvo ou com presença de opacidade. A coloração central do olho pode ficar com uma coloração amarela ou castanha.

Catarata cortical

Aparece na forma de cunha e em volta das extremidades do núcleo.

Catarata subcapsular posterior

Formada mais rapidamente do que os outros dois tipos, e afeta a parte de trás da lente.

Catarata Congênita

Presente no nascimento ou logo após o mesmo, podendo se formar no primeiro ano de vida. Esse tipo de catarata pode ser desenvolvida a partir de mutações genéticas, anormalidades cromossômicas e também em casos com processo infeccioso durante o período gestacional, abuso de drogas e álcool.  

Nesse caso ocorre a turvação parcial ou total do cristalino. As alterações podem variar desde pequenas distorções da visão ou cegueira total. 

Catarata secundária

Causada especificamente por doenças ou medicamentos. Entre as principais destaca-se diabetes e hipertensão. Encontra-se ainda outras doenças como glaucoma agudo, alta miopia, distrofia hereditária de fundo de olho. 

Outro agravante para o desencadeamento  se dá também devido ao uso prolongado por corticóides sem controle.

Catarata traumática

Geralmente é decorrente de causas externas. Os traumas oculares comumente são causados por contusões, lacerações e rupturas provocadas por objetos pontiagudos. Há também traumas por radiações ou descargas elétricas. 

Todos esses eventos podem levar  ao surgimento da catarata traumática. Nesses casos o cristalino sofre uma expansão equatorial, ou seja, sofre alterações metabólicas e epiteliais (camadas de células da córnea) induzindo a opacidade do cristalino. 

Nas lacerações e rupturas onde existe a presença de corpo estranho intraocular e que permaneça inativo, nessas circunstâncias, o objeto deverá ser removido imediatamente afim de evitar complicações com processo infeccioso e inflamatório podendo levar à perda da visão.

Conclusão

Por fim, vimos que sempre, aos mais simples dos sinais e sintomas que o indivíduo apresentar, o ideal é procurar o profissional de saúde adequado pela busca do melhor tratamento. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.